Português Italian English Spanish

Piscicultura ganha espaço entre as proteínas animais, mas ainda tem muito a evoluir

Piscicultura ganha espaço entre as proteínas animais, mas ainda tem muito a evoluir


Competitividade e oportunidades para a atividade foram temas de webinar promovido pela Nuffield Brasil com a participação de bolsista da Nuffield, além da Peixe BR e Bom Futuro.

“O peixe é a proteína animal com maior potencial de crescimento no Brasil. O cenário é muito promissor para a atividade. Temos grãos em abundância, assim como os demais ingredientes de origem animal usados na ração. E, claro, a água, que é o insumo principal para a atividade. Além disso, o consumo interno é baixo, o que abre muitas possibilidades de aumento e não podemos deixar de destacar o empreendedorismo dos produtores brasileiros”. A afirmação de Mauro Nakata, bolsista da Nuffield Brasil e tesoureiro da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), foi feita durante o webinar “A Competitividade da Piscicultura Brasileira”, da série Nuffield Talks, iniciativa da Nuffield Brasil, braço brasileiro da Nuffield International Farming Network, instituição global que contribui para a busca internacional de inovações para o agro na formação de novos líderes do setor. Participaram do webinar Mauro Nakata, José Maria Bortoli, sócio do grupo Bom Futuro e Francisco Medeiros, presidente executivo da Peixe BR. 

O Grupo Bom Futuro, empresa conhecida pela visão e uma das líderes de mercado, já patrocinou duas bolsas para jovens empresários buscar conhecimento e vivenciar experiências internacionais para implantar e contribuir com o agro brasileiro. A primeira bolsa oferecida pela empresa foi direcionada à piscicultura – exatamente para Mauro Nakata. 

“A Nuffield realiza um trabalho muito importante, pois por meio das lideranças que participam do programa podemos saber o que acontece de positivo no mundo e adaptamos à nossa realidade. Com suas pesquisas, os Nuffieldeanos trazem resultados positivos não apenas para as empresas, mas também para o agronegócio brasileiro”, diz José Maria Bortoli, sócio do grupo Bom Futuro, parceiro da Nuffield e associado da Peixe BR. 

Bortoli também destacou que há vários polos importantes de produção no Brasil e que os insumos, a produção e o processamento precisam estar próximos para garantir a eficiência da cadeia. “Esse movimento já aconteceu com as outras proteínas, principalmente aves e suínos. E ganha cada vez mais importância na piscicultura”. 

Francisco Medeiros, presidente executivo da Peixe BR, concorda. “Quando falamos em competitividade, a formação de clusters é essencial, pois contribui para redução de custos e obtenção de melhor resultado econômico para a atividade. Melhor ainda se os núcleos de produção estão próximos do mercado consumidor”, explica Medeiros. 

A piscicultura tem um processo de produção muito dinâmico, fator positivo para a consolidação no mercado.  “Temos potencial para crescer com metade do tempo que as outras cadeias de proteínas animais levaram para se consolidar, devido à alta tecnologia empregada em nossos processos”, afirma o presidente da Associação Brasileira da Piscicultura.

Francisco Medeiros também destaca a importância dos pequenos produtores nesse momento da atividade. “A organização é fundamental para ganhar espaço no mercado. Os pequenos produtores organizados têm vantagens, incluindo em relação a custos”.

Em meio à pandemia, foi possível verificar avanço do peixe de cultivo na mesa do consumidor e as empresas estão se adaptando para oferecer maior variedade de produtos. Mauro Nakata destaca a alta do dólar, para fortalecer o peixe brasileiro no mercado internacional. As exportações de filé de tilápia fresca para os Estados Unidos saltou 110% nos primeiros quatro meses de 2020. “Durante minha participação na Nuffield, visitei cadeias produtivas em vários países. Todos têm os seus desafios, mas a piscicultura brasileira tem um potencial incrível, tanto internamente quanto no mercado global”, entende Nakata.

Ainda sobre mercado internacional, o diretor da Bom Futuro diz que uma das grandes conquistas para a competitividade brasileira é o drawback para a tilápia e seus subprodutos. A medida permite que as empresas exportadoras adquiram, no mercado interno, os insumos necessários para produção, industrialização e comercialização sem incidência dos tributos federais (IR, IPI, PIS e Cofins).

“Trabalhamos em sintonia com os órgãos governamentais para garantir melhores condições para a cadeia da produção e, assim, contribuir para o fortalecimento da atividade como um todo. Precisamos aperfeiçoar os pontos estratégicos fundamentais para o crescimento do setor, como marketing e consolidação de outros produtos comestíveis da tilápia, assim como acontece em outras proteínas animais. Já estamos no mercado, agora precisamos trabalhar para aumentar nossa participação”, conclui Francisco Medeiros. 

O jornalista Ericson Cunha foi o moderador do webinar ‘Nuffieldtalks’, evento que acontece   a cada duas semanas, sendo um em português com palestrantes brasileiros da Nuffield Brasil e outro em inglês com palestrantes de vários países da rede internacional da Nuffield. 

Fonte: Texto Assessoria

31/07/2020

 

Booked.net
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sinop
Quarta-Feira, 29
booked.net
 
+30
°
C
+31°
+23°
Alta Floresta
Quarta-Feira, 29

 

Booked.net - book your hotel here
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sorriso
Quarta-Feira, 29
Booked
 
+25
°
C
+28°
+22°
Lucas do Rio Verde
Quarta-Feira, 29

 

booked.net
 
+25
°
C
+25°
+19°
Mutum
Quarta-Feira, 29

 

Saiba mais: https://www.cepea.esalq.usp.br/br