Português Italian English Spanish

BOAS PRÁTICAS NO MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

BOAS PRÁTICAS NO MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES


Artigo lista todos os fatores importantes na hora do manejo alimentar dos peixes; veja também como observar a eficiência da ração sobre o desempenho dos peixes

Vários autores* – A necessidade de nutrientes alimentares para desempenhar as funções fisiológicas básicas, crescimento e reprodução dos peixes são similares a outros animais de produção. A demanda desses nutrientes normalmente é suprida no ambiente natural, mas para se alcançar um bom desempenho produtivo são fornecidas rações comerciais. Desta forma, o manejo alimentar reduz problemas pertencentes ao consumo deficiente desses nutrientes (RIBEIRO et al., 2012).

O manejo alimentar de peixes apresenta particularidades importantes, visto que pode haver variações quanto à espécie, hábito alimentar, sistema de produção, sexo e idade. Essas características aliadas ao meio de cultivo (aquático) acarretam certa dificuldade na avaliação da eficiência produtiva como o consumo alimentar, já que um fornecimento ineficiente de ração interfere no desenvolvimento dos peixes e o excessivo gera danos econômicos e ao meio ambiente (RODRIGUES et al., 2013).

Para fornecer uma ração que atenda as exigências nutricionais de maneira eficiente é necessário compreender da fisiologia digestiva e particularidades de cada espécie (RIBEIRO et al., 2012). A alimentação desempenha importante papel na redução dos custos de produção, aumento da produtividade, manutenção da qualidade de água, sanidade e boa qualidade nutricional do produto final.

Vista a influência que o manejo alimentar tem sobre a produção de peixes, objetivou-se com este artigo apresentar a produtores e estudantes técnicas alimentares desenvolvidas em artigos científicos que auxiliam na produção de peixes, de maneira prática e simples.

O que considerar na hora de escolher a ração para peixes

A exigência nutricional, principalmente de proteína, varia de acordo com o hábito alimentar da espécie. Peixes carnívoros apresentam exigências proteicas superiores às exigidas pelos peixes onívoros (NRC, 1993). Os fabricantes de ração comercial fornecem rações específicas para peixes carnívoros e onívoros, facilitando para a escolha do piscicultor de acordo com a espécie produzida em sua propriedade. É importante lembrar que as rações para peixes carnívoros têm um custo mais elevado, já que a proteína costuma ser o componente mais caro da ração (RIBEIRO et al., 2012).

Saber a idade, tamanho ou período produtivo do peixe é importante para determinar as exigências nutricionais e tamanho dos peletes da ração. A quantidade de proteína necessária na ração diminui com o crescimento, isto porque na fase inicial precisa-se de mais proteína para um desenvolvimento e crescimento adequado. Já o tamanho do pélete deve ser de até 50% o tamanho da abertura da boca (LIMA et al., 2015). Durante o manejo alimentar é interessante observar o comportamento dos peixes, se ao abocanhar a ração o peixe “cuspir” em seguida está maior que o ideal, se a ração espalhar rapidamente significa que está menor que o ideal.

O peixe precisa apresentar boa aceitação à ração fornecida, caso contrário é necessário trocar a marca ou tipo da ração fornecida, pois indica que não foi bem aceita. A ração fornecida deve, além de ter tamanho dos grânulos de acordo com o tamanho da boca, ser extrusada e ter pouca quantidade de pó, evitando desperdícios e mantendo a qualidade da água dos viveiros.

Tabela 1: Granulometria recomendada de acordo com o tamanho e hábito alimentar do peixe (onívoro ou carnívoro). / Fonte: Tabela adaptada (KUBITZA, 2009)

Tipos de ração para peixes existente no mercado

Em alguns tipos de cultivo os peixes podem obter alimento de forma natural, mas para que alcancem o desempenho esperado é importante fornecer alimentos mais completos, ou seja, rações corretamente formuladas por fábricas especializadas. As rações comumente fornecidas para os peixes são as fareladas, peletizada e extrusadas (RIBEIRO et al., 2005).

Ração farelada – Consiste apenas na moagem e mistura dos ingredientes determinados na formulação. O fornecimento é recomendado apenas na fase larval, pois a perda de nutrientes é grande e gera problemas tanto para os peixes quanto para a qualidade da água.

Ração peletizada – Consiste na combinação da umidade, calor e pressão da ração farelada, seguida da aglomeração das partículas menores para dar origem as partículas maiores. Nesse caso a perda de nutrientes na água será menor, além de retirar as toxidades e diminuir a seleção dos nutrientes pelos peixes.

Ração extrusada – O processo de extrusão consiste no cozimento dos ingredientes em altas temperaturas, pressão e umidade controlada. Esse tipo de ração possui uma estabilidade que permite que os péletes “flutuem” na água por até 12 horas, facilitando o manejo. Essa característica torna as rações extrusadas as mais indicadas para os peixes.

Armazenamento da ração

As rações comerciais devem ser armazenadas em condições que garantam a qualidade estipulada pelo fabricante, tais como:

  • Local de armazenamento exclusivo para rações, para que não haja contaminação com outros produtos;
  • Arejado e livre de umidade;
  • Protegido de insetos, roedores, chuva e raios ultravioleta;
  • Os sacos não devem ter contato direto com o solo e paredes, com a distância de 50 cm, devendo estar empilhados em cima de páletes;
  • Por fim, é necessário observar se a aparência física está dentro da normalidade, assim como a validade deste produto.

Fornecimento da ração

Tanto quanto a origem, escolha e armazenamento, o fornecimento da ração também necessita de atenção. Para isso, adotar estratégias de manejo quanto à distribuição, horário de arraçoamento e monitoramento da qualidade de água podem influenciar diretamente da produtividade desses peixes.

Arraçoamento – Deve ser uniforme no viveiro para evitar que apenas os peixes dominantes se alimentem.

Figura 1: Distribuição de ração correta (A) e distribuição incorreta de ração (B).

No momento do arraçoamento é importante observar o direcionamento do vento para que a ração seja distribuída no mesmo sentido do vento, pois, se fornecida no sentido contrário acarreta em desperdício de ração, já que ela será levada para o canto dos viveiros escavados rapidamente dificultando o consumo pelos peixes.

Horário de arraçoamento – Evitar as primeiras horas do dia e dias nublados, pois os níveis de oxigênio e temperatura estão baixos, influenciando no consumo da ração. Determinar horários específicos de arraçoamento irá sujeitar os peixes a procurar alimento naquele horário. Em caso de alterações no tempo, qualidade da água e saúde dos animais, suspender o fornecimento até que o problema seja resolvido.

Jejum – Antes e depois de manejos ou transferências é importante que os peixes passem por um período de jejum de 12h a 24h. Essa estratégia evita que a qualidade da água seja alterada, pois os peixes, em situação de estresse, tendem a liberar as fezes contidas e com o trato vazio isso não acontece.

Comportamento – Durante o arraçoamento observar o comportamento dos peixes, pois o fornecimento de ração extrusada permite essa observação. Se a ração não estiver sendo consumida pelos animais, é necessário interromper o fornecimento, para evitar desperdício, impacto financeiro e ambiental. Quando o consumo for em menos de 10 minutos a quantidade de ração deve ser aumentada, já quando ultrapassar 20 minutos e ainda tiver ração sobrando a quantidade de ração ofertada deve ser diminuída.

Não há necessidade de fornecer alimento “extra” (resíduo animal, farelos vegetais, etc), a ração comercial já é completa e balanceada. Se houver troca de marca ou tamanho dos grânulos deve-se fazer uma transição gradativa até os peixes acostumarem com a mudança.

Frequência alimentar – Os hábitos alimentares das espécies vão definir a frequência alimentar mais recomendada, já que esse ponto vai influenciar no desempenho produtivo dos peixes. Para facilitar esse manejo é interessante utilizar comedouros automáticos ajustados de acordo com os horários e quantidades definidas. Mas mesmo com a introdução do arraçoamento automatizado é imprescindível manter a observação do comportamento dos peixes.

Como observar a eficiência da ração sobre o desempenho dos peixes

Para acompanhar a eficiência da ração utilizada na produção sobre o desempenho dos peixes, o ideal é fazer biometrias periódicas, a cada 15 ou 30 dias. A biometria consiste em pegar uma amostragem do lote, pesar e medir para acompanhar o desempenho produtivo dos animais.

Mas, como fazer a biometria?

Captura – A captura dos peixes vai depender do tamanho dos peixes e criatório. Pode ser com rede de arrasto ou puçá.

Figura 2: Captura com rede de arrasto (A) e captura com puçá (B) / Fotos: Rafaella Medeiros

Pesagem – A pesagem dos peixes pode ser feita colocando os peixes em um balde com água, no próprio puçá de captura ou, em se o peixe for grande, utilizando sacos de ração vazios. É importante tarar o peso do baldo com água, puçá e saco de ração molhado antes da pesagem dos peixes para não haver erros na pesagem.

 Figura 3: Transferência dos peixes em balde com água para posterior pesagem (A), pesagem no puçá (B) e pesagem no saco de ração vazio (C) / Fotos: Rafaella Medeiros

Medida – A medida pode ser feita utilizando paquímetro ou fita métrica.

Figura 4: Medida em paquímetro (A) e medida em fita métrica (B) / Fotos: Rafaella Medeiros

A biometria deve ser rápida e cuidadosa, pois manejos “grosseiros” podem causar muito estresse nos peixes aumentando o índice de doenças e mortalidade pós-biometria. Ao final do manejo devolver os peixes amostrados para os viveiros, com cuidado para não aumentar o estresse.

Todos os valores obtidos na biometria devem ser anotados, juntamente com mortalidades e consumo de ração, permitindo o controle sobre:

  • Taxa de mortalidade – Indica que pode estar ocorrendo algum problema quanto à qualidade da água, saúde dos peixes e disponibilidade de alimento.
  • Ganho em peso – Indica o crescimento dos peixes sobre o sistema de cultivo.
  • Conversão alimentar – Indica a relação entre a quantidade de ração consumida e o ganho em peso durante todo o período de produção, ou seja, quanto o animal precisou consumir para produzir 1kg.

Consideração final

O sucesso da piscicultura está atrelado a um conjunto de técnicas que permitem o crescimento desta cadeia, dentro destas está o manejo alimentar dos peixes que, se executado corretamente de acordo com a realidade do cultivo, evitam perdas de animais, produtividade e, consequentemente, econômicas.

Autores* •

Rafaella Machado dos Santos de Medeiros – Zootecnista pelo Centro Universitário Católica do Tocantins, mestranda do PPGZ no IF Goiano – Campus Rio Verde, proprietária da ZooAqua Consultoria, atua na piscicultura desde 2017. • Adriano Carvalho Costa – Zootecnista, mestre e doutor em zootecnia pela Universidade Federal de Lavvras; professor do IF Goiano – Campus Rio Verde. • Hortência Aparecida Botelho – Zootecnista, doutora em zootecnia pela Universidade Federal de Goiás. • Marília Parreira Fernandes – Zootecnista pela Universidade Federal de Uberlândia, mestranda do PPGZ no IF Goiano – Campus Rio Verde. • Matheus Barp Pierozan – Médico Veterinário pela Universidade Federal de Santa Maria, mestrando do PPGZ no IF Goiano – Campus Rio Verde. • Isabel Rodrigues de Rezende – Zootecnista pela Universidade Estadual de Goiás, mestranda do PPGZ no IF Goiano – Campus Rio Verde. • Igor Eli da Silva – Zootecnista pelo IF Goiano – Campus Ceres, mestrando do PPGZ no IF Goiano – Campus Rio Verde.

Leia mais em: https://www.comprerural.com/boas-praticas-no-manejo-alimentar-de-peixes/

Fonte: https://www.comprerural.com/boas-praticas-no-manejo-alimentar-de-peixes/

12/03/2021

 

 

Booked.net
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sinop
Quarta-Feira, 29
booked.net
 
+30
°
C
+31°
+23°
Alta Floresta
Quarta-Feira, 29

 

Booked.net - book your hotel here
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sorriso
Quarta-Feira, 29
Booked
 
+25
°
C
+28°
+22°
Lucas do Rio Verde
Quarta-Feira, 29

 

booked.net
 
+25
°
C
+25°
+19°
Mutum
Quarta-Feira, 29

 

Saiba mais: https://www.cepea.esalq.usp.br/br