Português Italian English Spanish

Queda do poder de compra do pecuarista freou avanço da área de alimentação animal

Queda do poder de compra do pecuarista freou avanço da área de alimentação animal


Segundo o Sindirações, crescimento do segmento será limitado a entre 4% e 4,5% em 2021

O Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações) reduziu sua estimativa para o crescimento do segmento em 2021, para uma faixa entre 4% a 4,5% — no meio do ano, a projeção era de 5%. Assim, deverão ser produzidas até o fim do ano 85 milhões de toneladas de rações.

O CEO da entidade, Ariovaldo Zani, afirmou que a queda do poder de compra dos pecuaristas, devido ao aumento dos custos de produção, provocou retração em toda a cadeia.

“Alta estratosférica”

O executivo lembrou, em entrevista a jornalistas, que a alta “estratosférica” da soja e do milho espremeu as margens, e a desvalorização do real ante o dólar elevou os custos de importação de aminoácidos, enzimas e outros produtos químicos que vêm de fora “Esses patamares tiraram muito do poder de compra do produtor, afetando substancialmente a rentabilidade”, afirma.

A demanda do produtor de leite não deverá crescer em relação ao ano passado, enquanto a área de ovos tende a consumir 1,5% mais ração. Segundo o CEO, os produtores desses itens foram os mais prejudicados, por não conseguirem repassar os custos totalmente, uma vez que dependem do mercado interno.

Zani lembrou que a população brasileira enfrenta desemprego, inflação e juros altos, e “tem reagido contra aumentos”. Assim, os pecuaristas e a indústria foram obrigados a absorver boa parte do aumento de custos. Ele citou a redução no alojamento de poedeiras como reflexo desse cenário. No caso do boi gordo, que subiu no campo – e as carnes, nos supermercados -, o golpe mais forte veio recentemente, com o embargo da China à carne bovina. O país asiático não compra novos lotes da proteína brasileira desde 4 de setembro, quando foram confirmados dois casos atípicos de doença da “vaca louca”, em Mato Grosso e Minas Gerais.

Naturalmente, a demanda pelo animal vivo caiu e freou o aumento do rebanho. Ainda assim, a pecuária de corte avançará 4,9% neste ano, conforme a projeção atual.

Segmento pet

Já o crescimento do segmento pet foi acelerado pela pandemia da covid-19 e deve chegar a 8%. De acordo com o executivo, o número de adoções aumentou, o que naturalmente eleva a demanda por ração industrializada. “E a gente não descarta que o segmento possa superar a nossa expectativa, por conta dos aspectos emocionais e psicológicos”, frisa.

O Sindirações projeta crescimento de 4% a 4,5% também no ano que vem, mas apenas se o cenário seguir dentro da normalidade. “Cisnes negros” podem provocar revisões. Zani afirma que há desafios no horizonte e cita dois em especial: uma possível volatilidade do câmbio causada pelas eleições presidenciais e o aumento dos preços internacionais de químicos, por causa da migração da indústria global para matrizes energéticas renováveis, o que demanda investimento.

Ademais, apesar de ver um cenário com maior disponibilidade de grãos em 2022, o CEO afirma que os preços da soja e do milho devem continuar em patamar “incômodo” para a indústria de alimentação animal.

Fonte: AviSite

Portal do Agronegócio

 

Booked.net
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sinop
Quarta-Feira, 29
booked.net
 
+30
°
C
+31°
+23°
Alta Floresta
Quarta-Feira, 29

 

Booked.net - book your hotel here
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sorriso
Quarta-Feira, 29
Booked
 
+25
°
C
+28°
+22°
Lucas do Rio Verde
Quarta-Feira, 29

 

booked.net
 
+25
°
C
+25°
+19°
Mutum
Quarta-Feira, 29

 

Saiba mais: https://www.cepea.esalq.usp.br/br