Português Italian English Spanish

Rentabilidade da piscicultura está em risco com ação das micotoxinas

Rentabilidade da piscicultura está em risco com ação das micotoxinas


Produzidas por fungos, as substâncias tóxicas afetam o desempenho e produtividade dos peixes nos diferentes sistemas de cultivo

A nutrição representa mais de 60% do custo final da produção de peixes de cultivo e camarões. Por isso, em um cenário de vaivém dos preços de insumos, a qualidade e a segurança têm de ser priorizadas, principalmente quando o assunto é controle de micotoxinas. “Os grãos apresentam alta suscetibilidade à contaminação de micotoxinas, metabólitos secundários produzidos por fungos, presentes em todas as etapas da cadeia produtiva – do cultivo, passando por colheita, transporte até armazenagem. A presença de micotoxinas é imperceptível e, pior: sua ocorrência é mais comum do que os produtores imaginam”, alerta Valéria Moreira, coordenadora de produtos da MCassab Nutrição e Saúde Animal.

Diversos fatores contribuem para a liberação de micotoxinas, como variações climáticas extremas, danos mecânicos e deficiências minerais ou hídricas. No armazenamento, as condições que favorecem a ocorrência de substâncias tóxicas são várias e envolvem alto teor de umidade dos grãos, elevada temperatura, longo período de estocagem, grãos danificados, grande quantidade de esporos e presença de vetores como insetos e ácaros. 

“Os fungos de maior importância econômica são do gênero Aspergillus, Penicillium e Fusarium. Dentre as micotoxinas de maior prevalência na produção animal destacam-se as aflatoxinas, fumonisinas, deoxinivalenol, zearalenona, T-2 e ocatoxinas. O tipo de resposta à exposição por uma ração contaminada depende do grau de contaminação, tempo de exposição ao alimento, espécie e idade do animal”, pontua a coordenadora da MCassab.

As micotoxinas podem afetar diversos tecidos e órgãos, como trato gastrointestinal, tecido hepático ou renal, sistema reprodutivo, nervoso e imunológico. Como consequência disso, há uma piora no desempenho. Em grande parte dos casos, o efeito do consumo da ração com micotoxinas é, sobretudo, relacionado à perda de produtividade, mas em casos mais graves há possibilidade de mortalidade. 

No entanto, em um mercado competitivo, alcançar todo o potencial de desempenho dos animais é prioridade em termos de retorno econômico. Valéria destaca que, dessa forma, é importante que seja feito um eficiente gerenciamento de micotoxinas e os adsorventes são uma eficiente estratégia. 

“Dentre as alternativas presentes destacam-se os adsorventes inorgânicos, como os aluminosilicatos, e os adsorventes orgânicos, como as paredes de levedura. Eles contribuem para a integridade do sistema imune dos peixes, diminuindo problemas hepáticos e produtivos. Livres da contaminação, esses animais têm melhor conversão alimentar e garantem maior rentabilidade para o negócio”, afirma Valéria. 

O uso de protetores hepáticos também é um diferencial importante, principalmente quando há graus mais elevados de contaminação, garantindo uma maior regeneração do tecido e contribuindo para o status oxidativo do órgão. A Linha AdPAC®, da MCassab, é um exemplo de adsorventes eficazes, que atuam no ‘sequestro’ desses metabólitos, minimizando os danos produtivos causados por esses compostos – sem prejuízo à saúde dos animais. 

Fonte: Texto Comunicação

Portal do Agronegócio 04/05/2022

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário

 

Booked.net
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sinop
Quarta-Feira, 29
booked.net
 
+30
°
C
+31°
+23°
Alta Floresta
Quarta-Feira, 29

 

Booked.net - book your hotel here
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sorriso
Quarta-Feira, 29
Booked
 
+25
°
C
+28°
+22°
Lucas do Rio Verde
Quarta-Feira, 29

 

booked.net
 
+25
°
C
+25°
+19°
Mutum
Quarta-Feira, 29

 

Saiba mais: https://www.cepea.esalq.usp.br/br