Português (Brasil)

MUDANÇA NO RELACIONAMENTO DO MUNDO COM A ÁGUA É URGENTE, DIZ GRUPO INTERNACIONAL DE CIENTISTAS

MUDANÇA NO RELACIONAMENTO DO MUNDO COM A ÁGUA É URGENTE, DIZ GRUPO INTERNACIONAL DE CIENTISTAS

Especialistas advertem que o mundo ultrapassou as fronteiras seguras para a água doce devido à poluição, à extração excessiva e à mudança no uso da terra

Compartilhe este conteúdo:

Poucos países têm sido poupados pelos impactos de padrões pluviométricos cada vez menos confiáveis. Grandes partes da Europa estão atualmente enfrentando uma seca de inverno. No ano passado, países do Paquistão à China, passando pelo Brasil, foram atingidos por eventos extremos relacionados à água.

Os cientistas advertem que o mundo ultrapassou as fronteiras seguras para a água doce devido à poluição, à extração excessiva e à mudança no uso da terra. A mudança climática está desequilibrando ainda mais o ciclo global da água, e isto está levando a mais e mais desastres relacionados à água, sejam secas, enchentes, incêndios ou falhas nas colheitas, que estão devastando tanto os países pobres quanto os ricos.

Neste momento crucial, "A virada da maré: um apelo à ação coletiva", a publicação inaugural da Comissão Global de Economia da Água (GCEW) divulgada nesta sexta-feira (17) argumenta que a humanidade falhará na mudança climática se ela falhar na água. A GCEW foi criada no ano passado para um mandato de dois anos, no âmbito da OCDE e sob a liderança do governo da Holanda e da Conferência da ONU sobre Água.

Segundo o documento, uma relação inteiramente nova com o ciclo da água é necessária, e o sucesso neste esforço é a única maneira de manter nossas estações chuvosas intactas, manter o sistema terrestre em um estado que possa continuar a apoiar a humanidade, manter o limite climático de 1,5°C, deter e reverter a perda de biodiversidade e cumprir com os objetivos de desenvolvimento sustentável para toda a humanidade.

Lançada antes da Conferência da Água da ONU, esta chamada à ação e o Relatório de fundo que a acompanha o manifesto dos pesquisadores apresentam as bases para uma nova economia na qual a água seja tratada não apenas como uma mercadoria ou uma necessidade humana básica, mas como um fator crucial para sustentar ecossistemas, apoiando os meios de subsistência e promovendo o crescimento econômico.

A iniciativa também busca mostrar que um futuro sustentável e justo para a água pode ser alcançado. Ela delineou um conjunto de sete soluções viáveis e eficazes para a crise global da água, desde a reforma da governança que assegura uma ampla participação, até soluções tecnológicas, de mercado e financeiras que promovem a equidade.

Entre suas principais conclusões da iniciativa, estão:

As inundações sem precedentes, secas e outros eventos extremos do último ano são o resultado de décadas de má gestão humana da água. A crise da água, o aquecimento global e a crise da biodiversidade estão se reforçando mutuamente. Sem ação para transformar a economia e a governança da água, o mundo falhará na ação climática e nas Metas de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

O mundo está gerenciando a água localmente, sem reconhecer que rios, águas subterrâneas e fluxos atmosféricos de vapor de água cruzam fronteiras internacionais - o mundo deve tratar o ciclo da água como um bem comum global.

O mundo deve parar de subvalorizar e subestimar a água. Combinado com o apoio direcionado aos pobres e vulneráveis, a garantia de que a água tenha um preço adequado permitirá que ela seja utilizada mais eficientemente em todos os setores, mais equitativamente e de forma mais sustentável tanto local quanto globalmente.

Os subsídios de 700 bilhões de dólares estão alimentando o consumo excessivo de água e outras práticas prejudiciais ao meio ambiente - estes devem ser gradualmente eliminados, e os recursos que são liberados devem ser utilizados para incentivar a conservação da água e o acesso universal.

O grupo propõe o estabelecimento de Parcerias Justas de Água para possibilitar investimentos em acesso à água, resiliência e sustentabilidade em países de baixa e média renda, de forma a contribuir tanto para as metas de desenvolvimento nacional quanto para o bem comum global.

O mundo também deve agir sobre as oportunidades na década atual - incluindo a fortificação de sistemas de armazenamento de água doce, o desenvolvimento da economia urbana circular de água especialmente via reciclagem de águas residuais industriais e urbanas, a redução de pegadas hídricas na indústria, e a mudanças na agricultura para irrigação de precisão, culturas menos intensivas em água e agricultura resistente à seca.

A governança multilateral da água, que atualmente está fragmentada e não está à altura do desafio, deve ser reformulada. A política comercial também deve ser usada como uma ferramenta para o uso mais sustentável da água, por exemplo, não exacerbando a escassez em regiões de estresse hídrico.

Fonte: DATAGRO

17/03/2023

Compartilhe este conteúdo:

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário

 

 

Booked.net
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sinop
Quarta-Feira, 29
booked.net
 
+30
°
C
+31°
+23°
Alta Floresta
Quarta-Feira, 29

 

Booked.net - book your hotel here
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sorriso
Quarta-Feira, 29
Booked
 
+25
°
C
+28°
+22°
Lucas do Rio Verde
Quarta-Feira, 29

 

 

Saiba mais: https://www.cepea.esalq.usp.br/br