Português (Brasil)

Safra de soja é marcada pela entrega lenta, falta de caminhões e atraso na colheita no nordeste de MT

Safra de soja é marcada pela entrega lenta, falta de caminhões e atraso na colheita no nordeste de MT

Compartilhe este conteúdo:

O clima desfavorável alongou o ciclo da soja e acabou concentrando a colheita do grão em muitas fazendas na região nordeste de Mato Grosso. Isso se tornou um problema para os agricultores da região, que não possuem número de armazéns suficiente para receber toda a produção.

A situação que abrange as regiões de Água Boa e Canarana é destaque do episódio 76 do Patrulheiro Agro desta semana.

‘Maus tratos’ logísticos elevam custos de frete no sul de Mato Grosso

O caminhoneiro Ronilson Ferreira comenta que passar pelo Vale do Araguaia é um sofrimento para os motoristas. “Em todo lugar que você vai é desse jeito. Só fila. Você fica na lama aqui, não tem uma sombra, não tem geladeira para você pegar água, não tem nada. Aí fica jogado no pátio”, afirma.

Na hora da entrega caminhões chegam a virar o dia na fila para descarregar, reduzindo a disponibilidade de veículos para carregar os grãos nas propriedades e, consequentemente, comprometendo ainda mais o ritmo das colheitadeiras nas lavouras.

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural Mato Grosso

De acordo com Willames Rodrigues, caminhoneiro que trafega na região, no começo era mais fácil descarregar, mas com o aumento do fluxo no começo da safra, ficou mais complicado e chega a durar mais de 24 horas de espera. “Eles alegam que a demora é pela soja úmida, dando prioridade aos carregamentos”.

 

O presidente do Sindicato Rural de Água Boa, Geraldo Delay, explica que a questão da falta de armazenagem é uma situação crítica tendo em vista que o custo é muito alto para construir um armazém novo.

“Como nós temos muitos produtores e a maioria, são arrendatários, eles têm essa dificuldade de construir o armazém nas terras que não são deles. Por isso existe essa dificuldade de fazer com que as tradings sejam atraídas para o nosso município, para que elas construam novos armazéns. Então, é um investimento que eles vão postergando o máximo possível e isso vai acarretando cada vez mais problemas em nosso município”, explica Geraldo.

De acordo com o Sindicato Rural de Água Boa, dos 240 mil hectares de soja cultivados nesta safra os agricultores já colheram 70%.

 

Essa situação, segundo o presidente do Sindicato Rural de Canarana, Alex Wisch, é recorrente há vários anos e a tendência é piorar já que os armazéns existentes estão ficando ultrapassados e a tecnologia já não comporta o tipo de manuseio deles.

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural Mato Grosso

“Alguns armazéns com balança defasada não aceita nem a pesagem de nove eixo e tem que dar desmontagem. Outros nem possuem tombador. Nós estamos pagando R$ 2,30 a saca de soja para levar na cidade a 11 quilômetros de distância, onde teria que ser no máximo, R$ 1,50, R$ 1,60, R$ 1,80, por exemplo, para compensar o aumento”, finaliza Alex.

Segundo o Sindicato Rural de Canarana foram cultivados nesta safra 320 mil hectares de soja. A capacidade estática para o município é de apenas 50% da produção.

canalrural.com.br 13/03/2023

 

Compartilhe este conteúdo:

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário

 

 

Booked.net
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sinop
Quarta-Feira, 29
booked.net
 
+30
°
C
+31°
+23°
Alta Floresta
Quarta-Feira, 29

 

Booked.net - book your hotel here
 
+25
°
C
+28°
+22°
Sorriso
Quarta-Feira, 29
Booked
 
+25
°
C
+28°
+22°
Lucas do Rio Verde
Quarta-Feira, 29

 

 

Saiba mais: https://www.cepea.esalq.usp.br/br